Papo Sobre Autoestima – Um novo jeito de ter sororidade no meio digital

E de repente eu estava lá, me derramando em lágrimas e vencendo um trauma. É incrível, como participar de um grupo na internet, pode ser acolhedor e muito importante.

É claro que esse grupo é um grupo especial, um lugar no mundo virtual, que faz pontes para a vida real e nos permite ver a vida por um outro ângulo é quase Wanderlust pra mim, é como viver o novo todos os dias, uma viagem através dos depoimentos das mulheres que lá estão, pelos comentários, pela interação. Cada texto compartilhado me traz novas reflexões sobre a vida, pensamentos que me transformam todos os dias.

piquenique papo sobre autoestima

Viajar para São Paulo nunca foi tão especial

Surgiu a oportunidade de ir até São Paulo, para participar do Piquenique do Grupo Papo Sobre Autoestima e decidir ir foi a melhor decisão que tomei nesses últimos dias. O grupo criado pelas blogueiras Joana e Carla do blog Futilidades tem sido muito importante para mim e acredito eu, para todas as mulheres que lá estão.

Um ambiente virtual de sentimentos reais

Lá trocamos experiências, falamos sobre nossos pensamentos, sentimentos, situações do dia a dia e tudo é lido e comentado com respeito e empatia pelas participantes do grupo. É um ambiente de amor e autoestima virtual que faz um bem danado pra mim.

Confesso, ainda não participei efetivamente, compartilhando meus sentimentos e pensamentos e comento pouco nos posts das meninas, acontece que andei paralisada com toda a escrita que envolvia sentimento da minha parte. De repente me vi totalmente bloqueada. A escrita que era algo libertador para mim ficou sufocada diante de algumas perdas e críticas que recebi. Eu e a minha velha mania de me importar além da conta com o modo de pensar dos outros.

piquenique papo sobre autoestima

Gratidão

Foi só lá, durante o piquinique, entre tantas mulheres que eu admiro e confio que tudo veio a tona. Que entendi porque eu andava tão sofrida, tão sufoca. Que entendi porque já não conseguia mais vir atá aqui neste blog que eu amo tanto, compartilhar minhas reflexões com vocês. E não existe outra palavra no mundo para descrever o meu sentimento em relação a inciativa dessas mulheres incríveis, blogueiras que admiro desde sempre: gratidão .

Querer emagrecer significa não se aceitar?

Querer emagrecer? Passei mais de 20 anos me incomodando com o meu corpo – magra demais, gorda demais – sempre pensava assim. Hoje vamos falar sobre como isso mudou.

quero eliminar as gorduras localizadas mas não tenho vergonha delas

Look da marca Roupas Atacados – Looks lindos, que vestem super bem e o melhor. De uma marca que apoia a mulher que se ama do jeito que é!

.

Acredito que como eu, você, também já se incomodou com o seu corpo, já ficou chateada em frente ao espelho, já quis esconder alguma particularidade como gordura ou magreza “demais” se autocriticando mentalmente. É difícil né? Tem dias que nada está perfeito, porém, quando isso se torna algo recorrente, pode ser que de fato alguma coisa esteja muito errada. A questão é, onde está o erro?

.

Querer emagrecer não é o problema, o problema é querer ser o que você não é.

(mais…)

Somos o que queremos ser

O título é bem clichê, parece mesmo coisa de auto ajuda, mas para mim é a pura realidade.

Me lembro bem quando eu era criança e não queria ir à escola, morria de vergonha de contar para minha mãe que não queria ir porque sofria bullying (na época esse nome nem existia), assim eu decidi que iria ficar doente, era o modo de não ir na aula sem fazer minha mãe pensar que eu era mal criada ou preguiçosa. No meio da aula, chamei a professora e disse que estava passando mal, falei que sentia frio e mal estar. Ela ligou para minha mãe que me buscou e no dia seguinte me levou ao médico, até o momento que eu chamei a professora eu não estava sentindo nada, estava super bem, a não ser pelo abuso das crianças que pegavam no meu pé não tinha nada de errado comigo fisicamente, porém, do momento em que eu decidi ficar doente algo mudou. Após a consulta médica veio o diagnóstico: princípio de pneumonia. Eu, lá pelos meus 9 , 10 anos fiquei surpresa, como eu poderia estar doente se o que eu disse foi mentira? Uma desculpa para fugir da aula?  Nesse momento aprendi que somos o que quisermos ser.

Somos o que queremos ser

Por mais que existam fatores externos fortíssimos, tudo o que acontece conosco tem uma grande ligação sobre como nos posicionamos no mundo, durante boa parte da minha adolescência eu havia esquecido dessa lição da infância e me posicionei como uma pessoa inferior de baixa autoestima e foi assim que o mundo me recebeu, com o rótulo que eu mesma coloquei em mim. Isso se estendeu até o início da minha vida adulta e foi só depois de lembrar dessa experiência de menina que comecei a descobrir o quanto eu era capaz de mudar a minha realidade independente dos fatores externos que tentavam me tirar do meu objetivo. Não é fácil chegar a essa dimensão de autoconhecimento mas acredito que saber do potencial que temos e sobre o quanto o autocontrole pode nos ajudar a melhorar a nossa vida é algo muito importante e que merece dedicação. Hoje eu venho me dedicando fortemente em trabalhar o meu lado emocional de modo que eu não me autossabote, não duvide do meu potencial e até mesmo não deixe uma excelente oportunidade de vida ir embora por insegurança. Para que essa mudança seja possível eu uso alguns recursos que tem feito grande diferença na minha vida, confira:

1 – Tire um tempo diário para refletir sobre o seu dia, veja os seus erros e acertos e anote na agenda, no bloco de notas do celular ou se preferir grave um áudio com a lição que você aprendeu no dia.

2 – Deixe os seus objetivos sempre à vista, lembrar deles é essencial para que você não se desvie do caminho que irá te levar a alcançar o que você almeja. No meu caso eles estão pregados bem em frente a minha mesa de trabalho, local em que passo a maior parte do meu tempo.

3- Exercite vencer seus medos, ter medo é importante pois nos ensina sobre até que ponto devemos ir, o que não se pode é se paralisar diante do medo. Assim, procure enfrentar pequenos medos diários.

4- Se organize, a organização é essencial para vivermos de modo mais tranquilo e produtivo, quando sua vida está organizada você tem mais tempo para descansar e ser mais criativo.

Esses quatro passos tem feito toda a diferença na minha vida e a cada dia eu tenho mais certeza que somos quem queremos ser, basta acreditar, ter resiliência e uma dose extra de “autoamor”.