5 anos e tudo mudou | Gratidão

5 anos de transformações: Se me perguntassem há cinco anos o que seria da minha vida hoje, eu teria uma descrição sem graça e sem esperança de tudo. Nessa época eu achava que não poderia realizar metade dos meus sonhos, vivia com pouca perspectiva.

Uma pena, 25 anos é uma idade tão legal, mas naquele tempo eu fazia muito pouco de mim. Ainda bem que muitas coisas aconteceram e fizeram com que tudo isso ficasse pra traz. Lamentar o que passou não é mais uma opção.
5 anos de transformações - Renata Arruda

.

1- Descobri que amores vem e vão

É difícil dizer, até porque há cinco anos eu vivia um grande amor e achava que somente esse sentimento bastaria, não precisaria de mais nada enquanto esse amor sobrevivesse. Estava enganada, não era bem assim.

.

2- Encontrei o amor próprio

De 5 anos para cá, aprendi que o único grande amor que basta é o nosso amor próprio, só ele é capaz de nos fazer viver tudo o que temos pra viver nessa vida, só ele nos permite curtir o playground das emoções e nos ajuda a curar a náusea toda vez que ficamos enjoadas e tendemos a querer desistir de ir para uma nova aventura nos brinquedos das emoções.

.

3- aprendi a compartilhar as minhas alegrias e tristezas.

O primeiro passo para o meu grande encontro comigo mesma foi criar uma das minhas grandes paixões, algo que se transformou em amor e hoje se tornou parte da minha vida: o blog Feminilidades
Criar o blog foi uma das coisas mais importantes que fiz por mim ao longo desses anos, foi por conta de toda interação, toda troca, o acesso a mais centenas de blogs, ao pensamento de mulheres maravilhosas que admiro tanto que comecei a olhar para mim.
Foi quando vi que sim, eu poderia buscar a minha felicidade e isso não era egoísmo , era “auto amor”, foram 5 anos de transformações.
Depois disso as coisas foram acontecendo, meio sem planejamento e ocasionaram no melhor momento da minha vida. O hoje!

.

4- Entendi que nem sempre é perfeito, mas sempre pode ser muito bom!

Esta tudo perfeito? Claro que não, mas percebi que esta muito melhor do que eu imaginava há cinco anos. Está muito além das minhas expectativas e sim, esta muito, mas muito feliz!
Tem dias que são difíceis, tem dias que eu choro e até sinto falta da Renata de 5 anos atrás e do grande amor que ela tinha, é normal, também era bom, e faz parte sentir saudade do que passou.
Porém, quando passa esse sentimento, (#ficadica miga: sempre passa) eu olho a minha volta e a única coisa que invade meu coração é a Gratidão.

.

5- Dos 25 aos 30: anos de evolução

Não sei se é a maturidade dos 30, ou se é a vida que me presenteou com tudo de bom que vem acontecendo, mas nesses cinco anos aprendi que quando me coloco como foco da minha vida todo o resto vêm. E vem na hora que tem que vir, não adianta atropelar as coisas com ansiedade, não adianta chorar e espernear. O melhor que a gente faz é encarar os sentimentos de perto.
.
Chorar faz parte, ficar teria te também. O mais importante entre uma coisa  e outra é curtir muito  a felicidade e acreditar que terão muitos outros momentos assim! 

Fotógrafa registra auto-retratos em uma análise do peso e suas transformações

O medo de encarar a própria realidade é um dos fatores que fazem as pessoas desistirem de seguir em busca dos seus objetivos. Lidar com problemas, sentimentos, medos e insatisfações em relação a si é uma missão de autoconhecimento, dolorida, mas que pode resultar em crescimento, mudanças positivas e na liberdade de ser quem é, sem culpa.

Jen Davis  é um exemplo de coragem, ela resolveu criar um projeto sobre si mesma, em que retratou durante 11 anos suas concepções de si, sobre beleza, autoestima e os dramas que viveu em torno deste contexto. As fotos estão circulando o mundo e em breve será lançado o livro, um diário dos últimos 11 anos.

“Nesse trabalho, eu lido com minhas inseguranças sobre o meu corpo e com a direta relação entre a auto-percepção e a forma com a qual eu sou percebida pelas outras pessoas. Eu uso a fotografia para revelar meus pensamentos e opiniões sobre a sociedade na qual vivemos. Uma sociedade que dita padrões de beleza baseados na aparência física das pessoas.” disse Jen

Com 100 quilos, aos 33 anos, Jen decidiu que era a hora de mudar e começou uma jornada em busca da superação. Passou a se exercitar, comer melhor, mudou de hábitos e conseguiu perder 50 quilos. As fotos exibem muito mais que imagens, mostram que olhar para si, pode ser o melhor exercício para chegar onde queremos.

Confira:

jen2

jen3

jen4

jen5

jen6

jen7

jen8

jen9

jen10

jen11

jen12

jen13

jen14

jen15

jen16

jen17

Fonte: P3